[Atualizada às 10:08]

A Zon Optimus conseguiu um resultado líquido consolidado de 18,4 milhões de euros, uma queda homóloga de 46,8%, segundo o relatório enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Este é o primeiro relatório divulgado depois da fusão da Zon com a Optimus, que foi concluída em 27 de agosto passado, tendo a nova equipa de gestão sido eleita em 01 de outubro.

Nos nove meses do ano, os resultados apresentam uma baixa de 17,5%, ao se situarem em 76,5 milhões de euros.

As receitas de exploração apresentam uma baixa de 2,1%, para 365,8 milhões de euros. A sua principal componente, a das telecomunicações, apresenta uma redução de 1,9%, para 347 milhões.

Mas, neste segmento, o documento salienta a inflexão no ritmo de decréscimo face a trimestres anteriores, devido «ao início da época futebolística e uma boa aceitação do novo canal Premium Benfica TV (¿), acréscimo relevante para a oferta de canais, na medida em que retransmite em exclusivo os 15 jogos que o Benfica joga em casa e os jogos da Liga Inglesa».

Audiovisuais (14 milhões) e exibição cinematográfica (15,8 milhões) são as outras fontes de receita, com a primeira a crescer 5,0% e a segunda a baixar 2,5%.

O EBITDA, que junta o resultado operacional (56,5 milhões de euros) com as amortizações (83,5 milhões de euros), desceu 1,5%, para 139,9 milhões de euros.

O administrador financeiro da Zon Optimus, José Pedro Pereira da Costa, disse à Lusa que os resultados até setembro foram afetados pela reestruturação que a empresa está a fazer na sequência da fusão das duas operadoras.

Ainda assim, o administrador financeiro garantiu estar «muito satisfeito», alegando que a empresa demonstrou «a sua resiliência com claros ganhos competitivos».