Os acionistas da Zon e da Optimus vão ter agora de escolher a nova equipa de gestão que vai liderar a empresa resultante da fusão, depois da Autoridade da Concorrência (AdC) ter dado esta segunda-feira luz verde à operação.

A AdC aprovou a «não oposição de decisão» da operação, incluindo na sua decisão um conjunto de compromissos já assumidos pelas duas operadoras.

Oito meses depois da Sonaecom e da empresária angolana Isabel dos Santos, acionista de referência da Zon, com 28,8% da operadora, terem anunciado o acordo para promover junto das administrações da Zon e da Optimus uma operação de fusão entre as empresas, a operação tem agora todas as autorizações necessárias para avançar.

Com o «sinal verde» da AdC, o próximo passo é escolher a nova equipa de gestão, a qual terá de contar com a aprovação dos acionistas em assembleia geral extraordinária, cujas conversações informais já terão sido iniciadas, segundo fontes ligadas ao processo.

Atualmente, a Optimus é liderada por Miguel Almeida e a Zon por Rodrigo Costa.

Entre os principais desafios que anova operadora enfrenta estão a crise económica portuguesa, que tem afetado o consumo, e a concorrência da Portugal Telecom (PT).

Entretanto, até final da semana, segundo o «Diário Económico», Isabel dos Santos deverá arrancar com um investimento de cerca de 120 milhões de euros na ZOPT, veículo que vai ficar com a maioria do capital da empresa que resultará da operação de concentração entre a Zon e a Optimus, como relata a Lusa.