O presidente executivo da brasileira Oi propôs à administração da telecom brasileira uma reorganização da PT Portugal, para acelerar a integracão e o alinhamento com a Oi e reforçar o acompanhamento do mercado português, afirmou Zeinal Bava.

Adiantou que, nesta reorganização, Bayard Gontijo, diretor financeiro da Oi e também da PT Portugal, sai da operação de Portugal para se focar com ele «no turnaround da Oi e no processo de fusão e ida para o Novo Mercado da Oi, reportando-lhe todas as áreas financeiras das empresas do grupo, incluindo PT Portugal».

Zeinal Bava adiantou que também propõe sair da operação de Portugal para dedicar-se em exclusivo à liderança do Grupo Oi/PT Portugal, que «terá de ser gerido como uma verdadeira multinacional que tem projetos desafiantes no futuro e a ambição de se afirmar como uma referência sectorial».

«Esta reorganização visa colocar o foco da equipa no «turnaround» da Oi, na cristalizacão das sinergias operacionais e financeiras em resultado da integracão entre a Oi e PT Portugal, no reforço da flexibilidade financeira da Companhia e na concretizacão da fusão e adesão ao Novo Mercado», afirmou Zeinal Bava.

Zeinal Bava explicou que a reorganização proposta ao Conselho de Administracção da Oi permitirá alocar tempo e recursos - «não só financeiros, mas também humanos» - às questões operacionais, financeiras e organizacionais mais prementes neste momento.

Garante, ao mesmo tempo, o reforço do acompanhamento da PT Portugal para que possa consolidar ainda mais a sua posição e o seu desempenho no mercado.

No âmbito do aumento de capital da Oi e da transição dos ativos da PT-SGPS para a Oi, esta operadora brasileira ficou dona da PT Portugal, assumindo todos os seus ativos.

Zeinal Bava será substituído no cargo de presidente executivo da PT Portugal pelo gestor português Armando Almeida, que é um ex-vice-presidente executivo para Europa e África da Nokia Siemens Networks.

O presidente executivo da Oi explicou que este é um profissional «com larga experiência na área tecnológica, em várias geografias e com grande capacidade de liderança de equipas».

Adiantou que «Armando Almeida, em conjunto com a equipa operacional da PT Portugal, que irá manter-se, irão reforçar ainda mais o posicionamento da PT enquanto empresa de referência na área da tecnologia e inovação», frisando: «e contarão com o meu total apoio na definição e acompanhamento dos temas estratégicos da operação em Portugal».

Explicou que, com o «objetivo da harmonização dos processos e transversalidade financeira», entrarão também para o conselho de administração da PT Portugal, Marco Schroeder, Eduardo Michalski e Flávio Nicolay, provenientes da equipa financeira da Oi, para garantir uma rápida integração destas áreas com a Oi.

Assim, o conselho de administração da PT Portugal será constituído por Armando Almeida (CEO), que terá reporte direto a Zeinal Bava, Manuel Rosa da Silva, Carlos Alves Duarte, Pedro Leitao, Nuno Cetra, Marco Schroeder, Eduardo Michalski e Flávio Nicolay, tendo estes três reporte direto a Bayard Gontijo.