A Worten realizou um «despedimento express» a todos os 15 funcionários da sua loja de Albacete (Espanha), fechando o estabelecimento sem notificação prévia e em apenas meia hora, denunciam os sindicatos.

Um comunicado da Comissões Operárias (CCOO) indica que no passado dia 28 de setembro uma equipa da sede central da multinacional portuguesa chegou à loja ordenando o despedimento dos funcionários e o fecho da loja, cita a Lusa.

Os sindicatos referem que a loja, que prometeu 45 empregos e estava reduzida a 15 trabalhadores, não chegou a estar aberta três anos.

No dia do fecho os trabalhadores foram informados às 09:30 de uma reunião com a direção meia hora depois.

Nessa reunião, e sem qualquer comunicação prévia, informaram os trabalhadores de que se tinha alcançado um acordo com os responsáveis do centro comercial e que a loja seria encerrada nesse mesmo dia.

Aos trabalhadores seria dada uma carta de despedimento disciplinar por baixo rendimento, reconhecendo a improcedência do mesmo («despedimento express» na legislação espanhola), advertindo quem não aceitasse esse despedimento nesse momento receberia uma carta de despedimento objetivo, podendo perder mais de metade da indemnização correspondente.

«A CCOO considera intolerável a forma de proceder da multinacional portuguesa, e denuncia que estas atitudes patronais são consequências das últimas reformas laborais, deste Governo e do anterior, que estão a deixar a cada vez mais indefesos os trabalhadores perante as arbitrariedades das empresas», refere José Luis Fernández, secretário-geral da Federação de Comércio, Hotelaria e Turismo da CCOO em Castela La Mancha

A Sonae passou a marcar presença em Espanha em 2008, através da Worten e da Sport Zone, ampliando depois esse investimento às lojas Zippy.

Em 2011 ultrapassou uma centena de lojas em Espanha.