A Volkswagen prevê manter a liderança nas vendas no maior mercado mundial, a China, ultrapassando novamente a General Motors graças a um crescimento que deverá chegar aos 10% em 2014, apostando em vendas globais de 10 milhões de veículos.

O presidente da marca germânica, Martin Winterkorn, espera um «crescimento de dois dígitos» e prevê vender mais de 3,5 milhões de veículos, disse aos jornalistas no âmbito da inauguração do Salão Automóvel de Pequim, a capital do maior mercado mundial de automóveis.

A competição está a intensificar-se para os dois maiores construtores a operar na China, principalmente fora dos grandes centros urbanos, afetados pelo abrandamento da economia e pela intensificação das leis contra a poluição, que implicam não só uma redução da possibilidade de conduzir os veículos nas cidades, mas também têm um reflexo no preço.

A General Motors vendeu, no ano passado, menos cerca de 110 mil veículos que a Volkswagen, e o gigante norte-americano prevê que as vendas deste ano tenham um crescimento entre os 8% e os 10%, o mesmo que a previsão para o crescimento do mercado automóvel chinês.

O aumento da previsão das vendas da Volkswagen está alicerçado também no aumento dos concessionários: o plano passa por aumentar o número de stands em 50% até 2018, para 3.600 e reduzir a quase zero as emissões poluentes, indo ao encontro das necessidades dos consumidores.

A nível mundial, a Toyota lidera o ranking de vendas, seguida pela Volkswagen e pela General Motors.

Os maiores construtores automóveis juntam-se hoje em Pequim para o lançamento do Salão Automóvel de Pequim, que abre as portas ao público na segunda-feira, e no qual vão ser apresentados mais de 1.110 modelos.

A venda de carros na China subiu 13,9% em 2013 para 21,98 milhões de unidades.