Os tripulantes de cabine da Portugália (PGA) cumprem na sexta-feira o primeiro de dois dias de greve, que deverá ter impactos reduzidos, já que a maioria dos passageiros foi contactada e transferida para outros voos.

Greve na TAP entre 27 e 30 de dezembro

Em declarações à Lusa, Ivo Fialho, diretor do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), antecipou que a adesão deve ser «total» face ao descontentamento dos tripulantes em relação «às permanentes violações ao Acordo de Empresa», realizando-se apenas os voos incluídos nos serviços mínimos.

De acordo com fonte oficial do grupo TAP, que integra a PGA, os efeitos desta greve serão reduzidos, uma vez que os passageiros com viagem marcada para sexta-feira e domingo, quando se cumpre o segundo dia de greve, foram contactados e os voos alterados.

«A TAP tomou medidas de proteção dos passageiros, transferindo-os para outros voos», adiantou a mesma fonte da empresa.

No pré-aviso de greve, o SNPVAC explica este protesto com «o desgastado ambiente laboral causado por uma gestão operacional caracterizada por permanentes violações às regras laborais estabelecidas no clausulado do Acordo de Empresa PGA/SNPVAC vigente, desrespeitando os mais elementares princípios da negociação coletiva e revelando um total desrespeito pelos direitos dos tripulantes de cabine, nomeadamente, pelo agravamento contínuo e sistemático das suas condições de trabalho».

Os serviços mínimos incluem quatro voos: Bilbau/Lisboa/Bilbau, Lisboa/Nice/Lisboa, Lisboa/Toulouse/Lisboa e Lisboa/Valência/ Lisboa, adiantou Ivo Fialho.