O grupo Transtejo, responsável pelas ligações fluviais no rio Tejo, anunciou hoje que as contas de 2013 registaram uma redução de custos de 4,1 milhões de euros, referindo que foram alcançados os melhores resultados operacionais desde 2006.

«No prosseguimento da sua política de redução de custos, registou-se uma redução de 4,1 milhões de euros no total de gastos em 2013 (46,9 milhões de euros), o que representa -8,1% face ao período homólogo de 2012», refere a empresa em comunicado enviado à Lusa.

Em relação aos gastos operacionais, o grupo frisa que se verificou uma redução de 21,3%, no que respeita à manutenção, o melhor resultado desde 2007, também uma diminuição de 3,7% nos consumos, o melhor resultado em termos de poupança de combustível desde 2004.

«Estes valores traduzem-se num gasto total de combustível de cerca de 8 milhões de euros, o que corresponde a uma redução de 9,2% face a 2012», acrescenta.

Quanto ao EBITDA, sigla inglesa que se refere a «lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização», a Transtejo continua a registar um valor negativo de 7,5 milhões de euros, mas defende que tal significa menos 9% que em 2012, sendo o «melhor resultado desde 2006».

«O mesmo se verifica no resultado líquido que, apesar de negativo (-19,9 milhões de euros), teve uma redução de 11,9%», refere.

Em relação à procura, o grupo Transtejo salienta que se registou uma melhoria em 2013 face a 2012, verificando-se um abrandamento da quebra.

«Em 2013 a procura foi de 23 milhões de passageiros, 27 mil veículos e 97 mil bicicletas transportados, correspondendo a um Rendimento por Serviços Prestados de 14,8 milhões de euros», concluiu.