A TAP vai assegurar 134 do total de 320 voos previstos para quinta-feira, primeiro dia de greve dos tripulantes de cabine, existindo ainda 4.000 passageiros com reservas para o dia, disse à Lusa fonte oficial da companhia aérea.

 

 

Para quinta-feira, a companhia tinha 320 voos previstos, afirmou a mesma fonte, acrescentando que, deste total, vão realizar-se 84 voos da Portugália, seis definidos como serviços mínimos, 10 que a companhia atrasou para sexta-feira e 34 voos de regresso de aviões que estavam fora de Lisboa.

 

 

«O restante para o total dos 320 voos teremos de avaliar amanhã (quinta-feira), mediante a adesão à greve», disse.

 

 

No que respeita aos passageiros, a TAP tinha 25 mil reservas para quinta-feira, tendo a companhia reduzido este número para 10.500.

 

 

«Destes, 2.800 são passageiros da Portugália e 3.700 vão voar nos voos dos serviços mínimos. Há 4.000 passageiros que estão ainda reservados para amanhã (quinta-feira) e só amanhã [quinta-feira] saberemos se conseguem voar, ou não, em função da adesão», afirmou a fonte oficial da TAP.

 

 

A mesma fonte disse ainda que a companhia continua a contactar estes passageiros.

 

 

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), que representa 2.500 tripulantes de cabine da TAP antecipa uma «grande adesão» à greve, que se inicia às 00:00 de quinta-feira, o primeiro de quatro dias de uma paralisação convocada para reclamar o cumprimento do Acordo de Empresa.

 

 

A TAP antecipa «uma significativa perturbação na operação da companhia nestes dias», estimando um custo de cinco milhões de euros por cada dia de paralisação.