A Sonae Sierra, especialista em centros comerciais, fechou o primeiro semestre com um resultado líquido de 47,8 milhões de euros, que compara com o prejuízo de 4,6 milhões de euros no mesmo período do ano passado, escreve a Lusa.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a participada da Sonae destaca que «os primeiros seis meses de 2014 ficaram marcados pela melhoria da performance operacional, bem como pelo incremento da aposta internacional da Sonae Sierra, com a entrada na China e o primeiro investimento em Marrocos».

No primeiro semestre, o resultado direto foi de 21,9 milhões de euros, um decréscimo de 26% face ao período homólogo do ano anterior, mas que foi totalmente compensado pelo aumento do resultado indireto.

Segundo a empresa, o resultado direto foi influenciado pela venda de ativos realizada no final de 2013, pela variação desfavorável da taxa de câmbio média do real brasileiro e pelo reforço da estrutura corporativa para fazer face ao crescimento nas novas geografias.

As vendas de ativos de 2013 e os custos de estrutura para fazer face ao crescimento para novos mercados foram igualmente os principais fatores responsáveis pelo decréscimo homólogo do EBITDA (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização), que caiu 9% para 51,2 milhões de euros.

Já o resultado indireto de 26 milhões de euros, que compara com 34 milhões de euros negativos no primeiro semestre de 2013, é justificado pela «compressão das taxas de capitalização em Portugal e Espanha e da melhoria da performance operacional dos ativos europeus e brasileiros».

O presidente executivo da Sonae Sierra, Fernando Guedes de Oliveira, destaca que «o primeiro semestre confirma os sinais de recuperação evidenciados desde o início do segundo semestre de 2013».

Até junho, as vendas dos lojistas do portefólio europeu registaram uma subida de 3,5%, numa base comparável com o período homólogo de 2013, destacando-se o crescimento de 6,2% em Portugal e de 2,5% em Itália.

Também no Brasil, as vendas dos lojistas subiram 7,8%, numa base comparável com o período homólogo de 2013.

A taxa de ocupação global dos centros comerciais da Sonae Sierra foi de 94,7%, mais 1,1% do que no mesmo período de 2013, reflexo da «qualidade dos ativos e da gestão da empresa num contexto macroeconómico ainda instável no setor imobiliário de retalho na Europa».