O presidente executivo da Sonae, Paulo Azevedo, disse esta quarta-feira que estão novamente reunidas as condições para acelerar o crescimento internacional do grupo e que a situação financeira permite ponderar aquisições no estrangeiro.

«Temos uma situação financeira onde podemos também considerar aquisições internacionais, coisas que estavam claramente fora do nosso radar há algum tempo. Será seguramente um processo progressivo, como são algumas das melhorias de que vos falei, não estão concretizadas, estão a acontecer, mas temos muito espaço, passará muito pela internacionalização», afirmou Paulo Azevedo durante a apresentação dos resultados da Sonae de 2013, que decorreu hoje na Casa de Serralves, no Porto.

Em relação à entrada da Sonae MC, empresa detentora da marca Continente, em Angola, o presidente executivo da Sonae reconheceu não se poder comprometer com datas, mas referiu que «2014 será um ano com mais ação visível do que em 2013».

Depois de ter sido estabelecido o objetivo de atingir 30% do volume de negócios no exterior, algo que não foi alcançado, Paulo Azevedo frisou que «estão de novo criadas as condições para um acelerar do crescimento internacional».

«Descobrimos maneiras mais fáceis de fazer esse crescimento internacional, modelos menos pesados em capital», disse o responsável, perante uma plateia que incluía o chairman do grupo, Belmiro de Azevedo.

Paulo Azevedo exemplificou o contexto atual da Sonae a nível internacional com o caso de um operador de hipermercados na Croácia que adquiriu a totalidade da coleção Casa, havendo ainda um projeto piloto em quatro países europeus com a Toys'R'Us.