A Soares da Costa registou prejuízos de 9 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, face aos 14 milhões do mesmo período do ano passado, anunciou a construtora em comunicado.

O volume de negócios caiu 26,3% para 315,9 milhões de euros, devido sobretudo à diminuição acentuada da atividade no mercado nacional e a demoras registadas no arranque de algumas obras em Angola, explicou a empresa.

Até junho as receitas da atividade nacional caíram 44% para os 79 milhões de euros, sendo o mercado com uma queda mais acentuada, enquanto Angola se mantém como o principal mercado internacional do grupo português.

No mesmo período, o EBITDA (resultados antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) recorrente atingiu os 38,4 milhões de Euros, menos 29% do que no período homólogo, o que «evidencia resiliência da margem».

Já o resultado financeiro de 24,1 milhões de euros negativos melhorou em relação aos 29,8 milhões de euros negativos do primeiro semestre de 2012.

No final de junho, a Soares da Costa tinha uma carteira de encomendas de 1,1 mil milhões de euros, mais 1,5% do que a 31 de dezembro de 2012, com 85% das obras no mercado externo.

A empresa destaca o aumento das obras em carteira em África: Angola com um acréscimo de 26,4% para 525 milhões de euros e Moçambique com mais 29,6% para 156 milhões de euros.

Na sessão de hoje, a primeira após o anúncio do reforço de capital no valor de 70 milhões de euros, a Soares da Costa fechou a subir 12% para os 0,28 euros.

Na terça-feira, o grupo anunciou ter chegado a acordo para uma operação de capitalização da sua subsidiária Soares da Costa Construção, que detém as participações na área de construção, que será efetuada, através de um aumento de capital a subscrever pelo novo investidor no montante de 70 milhões de euros, por António Mosquito, que ficará com dois terços do capital.