Os trabalhadores da SATA afetos ao Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC) anunciaram uma greve ao trabalho suplementar e dias feriados entre 01 de setembro e 31 de dezembro.

«Queremos o pagamento do trabalho extraordinário e de todo o trabalho ao abrigo do acordo de empresa. De forma unilateral têm sido alteradas as regras do trabalho sempre suportadas no Orçamento do Estado e nas medidas de austeridade. Há uma lei que permitiu que existisse um acordo de empresa, que tem de ter alguma força, até porque na TAP estas medidas restritivas não são aplicadas», disse à Lusa o representante nos Açores do SINTAC, Filipe Rocha.

O dirigente sindical afirma que «todos são trabalhadores» da aviação e defende o mesmo tratamento que está em vigor na TAP para a SATA, ou seja, a aplicação do mesmo acordo firmado entre uma plataforma de sindicatos e a transportadora aérea nacional com vista a evitar os cortes salariais entre os 3,5% e os 10% previstos no Orçamento do Estado de 2013.

«Tendo sido o Governo central o originador tanto do Orçamento do Estado como do protocolo de entendimento celebrado com a plataforma sindical na altura, extensível aos trabalhadores da TAP, não percebemos por que é que não temos direito na SATA ao mesmo tratamento», afirmou.

Filipe Rocha explica que os dirigentes do SINTAC já reuniram com a administração da transportadora aérea dos Açores, tendo, na altura, manifestado as suas reivindicações, que afirma terem sido «percebidas». No entanto, acrescenta, neste momento «não há» por parte da transportadora aérea açoriana uma «postura negocial», argumentando com o Orçamento do Estado e as medidas de austeridade.

«A reunião com a administração da SATA foi cordial mas não se vê que haja, pelo menos de momento, uma hipótese de desbloquear o conflito porque não se assume aquilo que foi negociado na TAP, afirmando mesmo que se está perante uma matéria ilegal. O que é ilegal é não nos pagarem aquilo que nos devem ao abrigo do acordo das empresa», defende Filipe Rocha.

Uma plataforma sindical, que não integrava o SINTAC, e a administração da transportadora aérea açoriana chegaram em junho a acordo depois de greves realizadas em abril e maio convocadas pela não aplicação na SATA do entendimento conseguido na TAP.

Segundo Filipe Rocha, fazem parte do SINTAC cerca de 100 trabalhadores da SATA.