A Semapa fechou o ano de 2013 com um lucro de 146,1 milhões de euros, um aumento de 15,5% face ao exercício de 2012, informou hoje a empresa ao regulador do mercado.

Em comunicado hoje enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Semapa adiantou que o volume de negócios consolidado aumentou 1,9% em 2013, para os 1.990,5 milhões de euros, uma evolução que se deve, sobretudo, à consolidação adicional de 49% da Secil a partir do segundo trimestre de 2012 e ao aumento do volume de negócios da Portucel.

Quanto ao EBITDA (resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), estes cifraram-se nos 422,1 milhões de euros, o que reflete uma queda de 14,7% face ao ano anterior.

A Semapa explicou que este desempenho do EBITDA foi, em 2013, «negativamente influenciado pelo registo de imparidades para inventários e dívidas a receber, cujo valor aumentou em cerca de três milhões de euros face ao registado no exercício de 2012».

A empresa referiu que as perspetivas económicas nos mercados mais desenvolvidos «são agora mais favoráveis, embora subsistam alguns fatores de incerteza, que não permitem considerar que estejam duradouramente ultrapassadas as dificuldades e desequilíbrios que têm marcado a economia mundial nos últimos anos».

No mercado do papel, a Semapa espera, em 2014, «a continuação de um enquadramento difícil, embora menos acentuado do que em anos anteriores, sendo possível alguma estabilização do consumo».

Assim, a empresa antecipa um início de ano «mais animado, sustentado na melhoria do nível de encomendas entre os produtores de papel».

A Semapa é responsável pela gestão indireta de participações em três áreas de negócio: papel e pasta de papel (através da participação no Grupo Portucel), cimentos e derivados (participações no Grupo Secil) e ambiente (participação no Grupo ETSA).