O líder do Santander Totta, Vieira Monteiro, afirmou que a entidade tem que estar sempre atenta às oportunidades que surjam para crescer, depois de questionado sobre um eventual interesse no BES, mas revelou conforto com a atual posição no mercado.

BES: aumento de capital pode chegar aos 4 mil milhões de euros

«Somos obrigados a olhar para todas as oportunidades que nos surjam, mas estamos muito contentes com a atual situação em Portugal», afirmou o gestor na conferência de apresentação dos resultados semestrais do banco.

Lucro do Santander Totta sobe 160%

O responsável realçou que esta postura é idêntica à adotada pela casa-mãe, o grupo espanhol Santander.

Segundo António Vieira Monteiro, o Banco Santander Totta não contactou, nem foi contactado pelo Banco de Portugal, a propósito de um possível interesse na aquisição de uma participação no Banco Espírito Santo (BES).

Na quarta-feira, o novo presidente executivo do BES, Vítor Bento, assumiu que o banco vai acelerar uma nova operação de aumento de capital, já que, após a divulgação dos resultados semestrais, marcados pelo maior prejuízo de sempre de um banco português (3,6 mil milhões de euros), ficou com os rácios de capital abaixo dos mínimos exigidos pelo Banco de Portugal.

E disse que o BES tem recebido manifestações de interesse na operação, quer por parte dos atuais acionistas, quer por parte de novos investidores.

Quanto à exposição do Santander Totta às holdings do Grupo Espírito Santo (GES) que estão sob gestão controlada, no Luxemburgo, Vieira Monteiro revelou que a mesa é pequena e não passa pelas empresas que pediram proteção de credores, mas sim a empresas com atividade comercial do grupo.