Os números do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), divulgados esta quarta-feira, revelam uma queda próxima dos 15 milhões de euros, nas receitas das salas portuguesas de cinema, e a perda de quase 200 mil espectadores, desde janeiro.

De janeiro a julho de 2013, segundo os dados divulgados, as receitas das salas de cinema, em Portugal, somaram 34.662.037 euros, contra os 40.022.965 euros registados em igual período de 2012, o que traduz uma queda de 13,4%.

Quanto aos espetadores, nos primeiros sete meses deste ano - de janeiro a julho -, registou-se uma quebra de 194.569, ou seja, menos de 10,8%.

Em relação à estreia de filmes nacionais, este ano houve menos uma estreia do que no período homólogo do ano passado, de acordo com os dados do ICA.

Em Portugal estrearam-se comercialmente 17 filmes de produção nacional: nove longas-metragens de ficção, cinco documentários e três curtas-metragens de ficção.

O filme «Comboio noturno para Lisboa», de Billie August, uma coprodução germano-helvético-portuguesa foi visto por 58.000 espetadores e é, segundo o ICA, «o filme nacional mais visto», mas não está entre os dez mais vistos, entre janeiro e julho deste ano pelos portugueses.

O segundo posto do top da produção nacional é ocupado por «O bairro», de Jorge Cardoso, Lourenço Mello, José Manuel Fernandes e Ricardo Inácio, com 18.161 espetadores, e, no terceiro lugar, está «Quarta divisão», de Joaquim Leitão, que foi visto por 4.939.

O total de espetadores destes três filmes, abaixo dos 100 mil, não se aproxima do filme mais visto nos ecrãs nacionais, que foi «Velocidade furiosa - 6», de Justin Lin, com um total 423.915 espetadores.

No segundo lugar do top dos filmes mais vistos entre janeiro e agosto está «A ressaca ¿ parte III», de Todd Phillips, por 274.819 espetadores, e, em terceiro lugar, «Os Croods», de Kirj de Micco, que foi visto por 264.204 espetadores.