"A Triumph International está avaliar opções para vender a sua unidade de produção em Sacavém a um comprador internacional”, refere a empresa de roupa interior numa nota enviada à agência Lusa.

“As vendas e marketing, que incluem o negócio de retalho, mantêm-se como uma prioridade para a empresa e não serão afetadas na sua atividade", assegura a marca.

A reação surge na sequência da preocupação manifestada pelo presidente da Câmara de Loures, Bernardino Soares, que enviou uma carta ao ministro da Economia a alertar para a necessidade de intervir para salvaguarda da unidade de Sacavém e da continuidade de produção e manutenção dos cerca de 500 postos de trabalho.

"Queremos sensibilizar o Governo, porque é uma unidade de produção importante para Loures e para o país e que emprega mais de 500 pessoas. É fundamental manter esta fábrica e estamos empenhados numa solução", acrescentou o vice-presidente da autarquia à agência Lusa, Paulo Piteira.

Fonte da empresa esclareceu que "a fábrica não vai fechar, nem os trabalhadores vão ser despedidos".

"A única coisa que se passa é que se iniciou o processo de venda que pode demorar três meses ou três anos, ou pode nem sequer acontecer. A fábrica não vai fechar e não haverá despedimentos", assegurou a mesma fonte.

A Triumph Internacional de Sacavém está instalada no concelho de Loures desde 1961 e tem 530 trabalhadores.