A Rumbo informou hoje que vai procurar melhorar os serviços que presta aos consumidores, na sequência de uma denúncia da Deco sobre esta agência de viagens «online».

«Vamos avaliar a melhor forma de melhorar os nossos serviços», indica a Rumbo em comunicado, face aos resultados de uma análise hoje divulgada pela Deco.

A associação de defesa dos consumidores acusou a Rumbo e também a eDreams de publicitarem nos "sites" preços de voos mais baratos «em regra» do que os efetivamente cobrados aos clientes.

A empresa afirma também que tenta «conhecer constantemente as necessidades» dos clientes e melhorar os "sites" que gere, «sempre que possível, em estreita colaboração com as associações de consumidores, como é o caso da Deco em Portugal».

Com sede na Suíça, a agência de viagens "online" foi fundada em 2006, mas as suas raízes remontam a 2003, quando nasceu a Volagratis, um motor de busca italiano dedicado ao universo dos voos de baixo custo.

A conclusão divulgada hoje pela Deco resultou de uma análise da associação aos sítios na internet de quatro agências de viagem de venda "online" - Rumbo, eDreams, Logitravel e netviagens - e de cinco companhias aéreas "low cost" [de baixo custo]- Ryanair, easyJet, Transavia, Vueling e Condor -, as empresas com mais reclamações à Deco por causa do transporte aéreo.

O objetivo do estudo era averiguar a transparência de preços e a informação disponibilizada nos sítios na internet quanto aos direitos dos passageiros.