O presidente da REN, Rui Cartaxo, diz que junção da Energia, o Ambiente e o Ordenamento do Território num ministério «tem potencial para ser um desenvolvimento positivo».

«Não sou especialista em orgânica do Governo, mas a Energia e o Ambiente têm muitas interceções e, se isso significar uma melhor e mais rápida coordenação entre os temas ligados com as infraestruturas de energia e os temas ambientais e de ordenamento do território, pode ser uma coisa positiva», afirmou Rui Cartaxo, citado pela Lusa, quando questionado sobre a nova orgânica governamental.

Na conferência de imprensa de divulgação dos resultados do primeiro semestre, o presidente da REN admitiu que «se significar uma mais rápida coordenação, pode ser [uma decisão positiva]».

«Tem potencial para ser um desenvolvimento positivo», acrescentou.

Na sétima remodelação do Governo, o chefe do executivo retirou Álvaro Santos Pereira de ministro da Economia, substituindo-o pelo dirigente centrista António Pires de Lima, e colocou o atual coordenador da direção nacional do PSD, Jorge Moreira da Silva, à frente de uma nova pasta do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia.