O setor da imprensa deverá sofrer este ano uma nova queda das receitas, desta vez de 8%, para 520 milhões de euros, de acordo com o estudo setorial DBK divulgado esta segunda-feira pela Informa D&B.

«O forte retrocesso do investimento publicitário e a desfavorável conjuntura económica têm afetado negativamente o volume de negócio no setor da imprensa nos últimos anos», refere o estudo, adiantando que a faturação tem vindo a fazer uma trajetória «descendente desde 2008, situando-se em 2012 à volta dos 565 milhões de euros», menos 11% relativamente a 2011.

«Em 2013 manter-se-á o decréscimo de receitas, estimando-se uma quebra setorial de 8%», para 520 milhões de euros, adianta.

No ano passado, o volume de negócios caiu tanto nos jornais (-11,5%) como nas revistas (-10,7%), para os 230 e 335 milhões de euros, respetivamente.

Em 2012, contavam-se 230 jornais e 335 revistas em Portugal.

«O número de empresas editoras de imprensa mantém uma tendência decrescente, em paralelo com o decréscimo do volume de negócio», refere o estudo, adiantando uma diminuição do número de publicações editadas em papel entre 2004 (1.829) para 2011 (1.047).

As empresas de pequena diminuição são uma característica deste setor, com 90% com um número de trabalhadores inferior a 10%.

«No setor observa-se uma notável concentração empresarial, que tem crescido nos últimos exercícios, registando em 2011 nas cinco primeiras editoras uma quota de mercado acima de 40%».