A privatização pode ser uma venda parcial. A TVI sabe que o Governo está a equacionar privatizar apenas 49% mantendo o controlo da companhia aérea nas mãos do Estado.

Note-se que esta decisão é iminentemente política, mas tem de ser tomada até ao fim do mês. Caso contrário, a privatização não avança em 2015, ano de eleições.

Assim, o Estado mantém a maioria do capital por um período transitório até o novo acionista fazer um aumento de capital, para resolver o problema da dívida de mil milhões de euros. Depois, nessa altura, o Estado perde a maioria ou sai de vez do capital da TAP.

A privatização da TAP continua em cima da mesa, após ter sido incluída no memorando de entendimento do resgate externo de Portugal de 2011.

Governo não se compromete com calendário para avançar

Contudo, o Ministro da Economia não se comprometeu com um calendário para o processo avançar.

«Ainda é cedo para o Governo se pronunciar sobre esta matéria. No tempo próprio, e quando o Governo o entender, o Conselho de Ministros dará nota daquilo que pretende fazer em termos de privatização ou não privatização da TAP», referiu no passado dia 5 de setembro, no mesmo dia em que confirmou o interesse de Pais do Amaral na companhia nacional.

Recorde-se que, em Junho, o Secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, disse que Governo já recebeu o relatório da reavaliação da TAP, que é mais valiosa que há dois anos.

«A TAP não pode, não deve ser privatizada sob pressão. É uma decisão que deve ser feita com pés e cabeça», reforçou Pires de Lima.