O ministro da Economia considerou «um enorme êxito» a privatização dos CTT por mais de 900 milhões de euros, concluída esta sexta-feira com a venda da restante posição do Estado, adiantando que os novos acionistas «são bons investidores internacionais e portugueses».

Estado já amealhou 7,4 mil milhões com privatizações

«Não foram 300, nem 400 ou 500 milhões de euros aquilo que o Estado arrecadou. Com esta privatização conduzida em duas fases e que usou o mercado de capitais como único instrumento de venda da empresa, foram mais de 900 milhões de euros. Isto é um enorme êxito tanto para o Estado como para a equipa de gestão dos CTT», disse à agência Lusa, o ministro da Economia, António Pires de Lima.

A Parpública anunciou hoje ter já concluído a venda dos 31,5% que o Estado ainda detinha nos CTT, ao preço de 7,25 euros por ação, por 343 milhões de euros, totalizando o encaixe final da reprivatização dos CTT os 909,2 milhões de euros (579 milhões de euros na dispersão em bolsa em dezembro - IPO).

«Muitos diziam que (a empresa) não valia mais de 400 ou 500 milhões de euros, quando o Governo estava a estudar a possibilidade de lançar a privatização. Eu próprio ouvi comentários de investidores que estavam interessados na empresa que declaravam que esta não valeria mais de 300 ou 400 milhões de euros. Foram 900 milhões de euros», reforçou, citado pela Lusa.

Parpública encaixa 343 milhões com venda de 31,5% dos CTT