O ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional considerou esta quarta-feira no Parlamento que a RTP tem «excesso de recursos humanos em relação ao necessário para cumprir o serviço público».

Miguel Poiares Maduro, que falava na comissão parlamentar para a Ética e Cidadania, reagiu, a pedido dos deputados, às notícias que dão conta de um despedimento coletivo planeado na estação estatal, que afetaria 300 pessoas, afirmando desconhecer tal informação.

«É conhecido que a RTP vai diminuir os seus recursos humanos. O que passa por um processo de rescisões voluntárias. Solicitei à administração da RTP a análise dos serviços, para ver onde há excesso de recursos humanos. A discussão passa por saber em que áreas faz sentido a RTP promover o mercado audiovisual independente. O que implica a diminuição dos recursos humanos alocados a essas áreas», disse.

Certo é que «os recursos humanos terão de diminuir», até porque «os custos dos recursos humanos são mais altos do que os custos de grelha, o que é inédito e não me parece aceitável», explicou o governante.

No que toca ao financiamento da empresa, o ministro garantiu que a RTP vai ter financiamento para cumprir o contrato de concessão, o que lhe dará estabilidade «num horizonte plurianual».

.

Na mesma audição, o ministro anunciou que a RTP terá um conselho geral independente que escolherá a administração.