A administração do Porto de Lisboa (APL) recebeu três candidaturas para a construção e exploração do novo terminal de cruzeiros de Lisboa, em Santa Apolónia.

Fonte da APL disse à agência Lusa que apenas na quarta-feira ao final da manhã será possível saber o nome das empresas a concurso: «Não sabemos a quantas empresas correspondem estas propostas, porque elas podem ser apresentadas também em grupo. Sabemos que houve 13 empresas que levantaram os termos do concurso», afirmou.

O concurso internacional foi lançado pelo Governo a 06 de junho. A adjudicação deverá ocorrer até ao final do ano.

O novo terminal ¿ um edifício pequeno, simples, discreto e «amigo do ambiente», nas palavras do arquiteto João Carrilho da Graça, autor do projeto ¿ representa um investimento privado global de cerca de 22 milhões de euros.

Com cerca de 13 mil metros quadrados de área útil, o espaço vai permitir a entrada e saída de passageiros de vários navios em simultâneo, terá um restaurante na cobertura, uma cafetaria, uma pequena zona comercial para serviços como correios e farmácias e espaços verdes.

Segundo o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, a obra deve estar concluída entre junho e dezembro de 2015.

De acordo com a diretora de cruzeiros do Porto de Lisboa, Manuela Patrícia, a concessão do novo terminal será exclusiva durante os primeiros 15 anos no concelho de Lisboa. Entre os critérios para a adjudicação estão o cumprimento do tráfego mínimo de 550 mil passageiros por ano, o melhor valor da taxa de passageiros e o prazo da concessão.

O objetivo da APL é duplicar ¿ a partir dos atuais 560 mil ¿ o número de passageiros de cruzeiros na próxima década e mais do que triplicá-lo no espaço de tempo da concessão, entre 20 e 35 anos.

A APL estima que a capacidade máxima do futuro terminal de Santa Apolónia seja de 1,8 milhões de pessoas/ano.