Os sindicatos dos bancários da UGT manifestaram esta quarta-feira ao primeiro-ministro a sua preocupação pelos postos de trabalho do Novo Banco e obtiveram o compromisso de que a venda do banco será feita tendo em conta os trabalhadores.






«O senhor primeiro-ministro e a senhora ministra das Finanças assumiram o compromisso de que a transação do Novo Banco será feita considerando também os postos de trabalho», disse o presidente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas, Rui Riso, aos jornalistas, no final do encontro com Passos Coelho, noticia a Lusa.

Uma delegação dos sindicatos do setor bancário da UGT, liderada pelo secretário-geral, Carlos Silva, reuniu-se com Pedro Passos Coelho, em São Bento, durante cerca de hora e meia.

A reunião foi solicitada pela UGT para discutir a situação do Novo Banco e para sensibilizar o primeiro-ministro para as preocupações dos trabalhadores desta instituição.

Rui Riso defendeu que «seria desejável manter todos os postos de trabalho», mas lembrou um plano de restruturação que já existia no BES para reduzir cerca de 500 postos de trabalho.

Atualmente, o banco tem 5.700 trabalhadores.

O sindicalista lembrou que as restaurações que têm sido feitas no setor passam sempre pela redução de pessoal.

«Se continuar a ser assim, qualquer dia não há trabalho para ninguém», lamentou.

Rui Riso, referindo-se à eventual redução de pessoal no Novo Banco, defendeu que «o ideal seria que todos tivessem trabalho», ainda que fora da atividade bancária.

«Queremos é que tudo se passe sem conflitualidade e que seja assegurado o bem estar dos trabalhadores», disse.