A Martifer apresentou resultados líquidos consolidados negativos nos nove primeiros meses do ano, de 48,7 milhões de euros, que excedem em 47,7% os prejuízos de 33,0 milhões registados no mesmo período do ano passado.

Em documento divulgado, durante a noite de quinta-feira, no sítio da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, o grupo salientou que estes resultados no terceiro trimestre, apesar de residuais, foram positivos, em 56,3 mil euros.

As vendas e prestações de serviços subiram 22%, para os 416 milhões de euros, com os proveitos operacionais a subirem 29% para os 464 milhões, «a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das áreas core business Solar e Construção Metálica e alavancado pela venda de parques eólicos».

A dívida subiu um milhão de euros, em relação ao final de 2012, para 378 milhões de euros, com o Grupo a garantir que «continua focado no [seu] processo de diminuição» e apresentar, até final de 2014, «um nível de endividamento entre 230 a 250 milhões de euros».

As áreas principais da atividade do Grupo são a construção metálica e a das energias renováveis, designadamente solar e eólica.