Mais de 90 por cento dos créditos a empresas reconhecidos em tribunal continuam em dívida, apesar de um ligeiro aumento nos montantes recuperados no segundo trimestre deste ano.

Dados da Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ) de abril a junho de 2013 indicam que a taxa de recuperação de créditos foi de 8,7%, quando no primeiro trimestre o indicativo situou-se nos 8,1%.

Nos processos de falência, insolvência e recuperação de empresas do segundo trimestre de 2013 com créditos reconhecidos em tribunal, 37,3% apresentaram pagamentos, enquanto em 62,7% não houve liquidação de qualquer montante.

Nos movimentos de processsos nos tribunais judiciais de primeira instância no segundo trimestre deste ano, as estatísticas da DGPJ revelam menos ações interpostas comparativamente com o período de janeiro a março - 5.200 contra 5.417.

Relativamente ao primeiro trimestre, o número de processos concluídos também registou um ligeiro decréscimo (5.249 contra 5.302).

No que se refere à pendência de processos de falência, insolvência e recuperação de empresas nos tribunais judiciais de primeira instância, o segundo trimestre apresentou um aumento de cerca de 8,5% relativamente ao período homólogo de 2012.

A duração média dos processos decresceu três meses no segundo trimestre de 2013, quando em idêntico período no ano passado se fixou em 26 meses.

Os elementos recolhidos pela DGPJ permitiram concluir que continua a aumentar a proporção de processos de valor situado entre mil e 9.999 euros, a que corresponde um aumento dois por cento comparativamente a 2012.

Em sentido inverso, o número de processos entre 10 mil e 49.999 euros sofreu uma redução de dois por cento.

Nas insolvências decretadas pelo tribunal, a amostragem realizada demonstra um crescimento significativo no primeiro semestre deste ano relativamente a 2012: 4.231 decisões contra 3.829, como escreve a Lusa.

Menos ações executivas pendentes no segundo trimestre de 2013

As ações executivas pendentes nos tribunais diminuiram quase cinco no segundo trimestre deste ano, comparativamente com o período de janeiro a março, existindo atualmente cerca de 1,1 milhões de processos.

O boletim trimestral da Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ) indica que, no final do primeiro trimestre, estavam pendentes nos tribunais um total de 1.212.504 ações, enquanto de abril a junho aguardavam decisão 1.153.140.