Os resultados líquidos da Sonaecom aumentaram 37,7% em 2013 para 103,8 milhões de euros, revelou hoje a empresa, no relatório anual sobre o ano em que se concretizou a fusão entre a ZON e a Optimus.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Sonaecom apresentou um crescimento de 12,1% no volume de negócios entre 2012 e 2013 para 117 milhões de euros, tendo as receitas de serviço subido 16,4% para 83,9 milhões.

Já o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) caiu 30,8% para 71,7 milhões de euros entre 2012 e 2013, de acordo com o mesmo documento.

«Com esta operação foi possível assegurar uma posição de influência de controlo num operador claramente sustentável, com uma estrutura acionista forte e comprometida com o setor, e com privilegiadas condições para ambicionar uma posição de liderança em Portugal e ao mesmo tempo crescer internacionalmente», afirmou o presidente executivo da Sonaecom, Ângelo Paupério, numa mensagem no comunicado.

O gestor realçou que «como consequência desta operação o principal ativo da Sonaecom passou a ser uma participação numa sociedade cotada, o que levou o Conselho de Administração a lançar em 29 de outubro de 2013 uma Oferta Pública de Aquisição de Ações Próprias».

«Fecha-se assim um ciclo da vida da Sonaecom», frisou Ângelo Paupério.

A Sonaecom deixou de estar cotada no PSI20 a partir de dia 24 de fevereiro, depois de a OPA de ações da empresa ter tido uma adesão de 62%, segundo a informação prestada ao mercado.