Os CTT - Correios de Portugal registaram lucros de 31,6 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, mais 2,8% que no mesmo período do ano passado, anunciou a empresa em comunicado.

O EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) subiu 5,9% para 52,7 milhões de euros, «não obstante em 2013 estar incorporado o pagamento do subsídio de Natal, não pago à maioria dos trabalhadores em 2012».

Já o EBIT (resultados operacionais) subiu 4,8% para 38,9 milhões de euros.

Os gastos operacionais consolidados ascenderam a 296,4 milhões de euros, menos 15,6 milhões que no primeiro semestre de 2012, «refletindo as medidas tomadas pelos CTT para redução dos custos que superaram o custo da reintrodução do subsídio de Natal em 2013».

Por seu lado, os rendimentos operacionais baixaram 3,5% para 349,1 milhões de euros, com os rendimentos do Correio a recuarem 3,9% e os de Expresso e Encomendas a caírem 3,1%, enquanto os dos serviços financeiros cresceram 1%.

«A par das pressões estruturais sobre o setor e da liberalização gradual do mercado, o ambiente económico adverso colocou pressão para a redução de gastos nos grandes clientes empresariais e originou um menor nível de atividade económica, contribuindo todos estes fatores para a redução dos rendimentos verificada», justificam os CTT em comunicado.

O número de trabalhadores registou uma redução de 6,7%, por reformas e não renovação de contratos a termo certo.

«Em consequência da necessária política de ajustamento dos recursos humanos à evolução do mercado, que obriga a uma forte orientação para a redução continuada de custos, no final do primeiro semestre de 2013 o número de trabalhadores dos CTT (efetivos do quadro e contratados a termo) ascendia a 13.156, menos 939 (-6,7%) do que no final do primeiro semestre de 2012», explicam.

No final de junho de 2013, os CTT tinham 2.518 lojas, sendo 625 lojas próprias e 1.893 em parceria (Postos de Correio), 310 centros de distribuição postal e operavam 3.018 veículos.