A Novabase obteve um resultado líquido de 1,6 milhões de euros no primeiro trimestre, menos 20% face a igual período do ano passado, anunciou hoje a tecnológica portuguesa.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Novabase adianta que o volume de negócios recuou 5,3% para 51,6 milhões de euros e o resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) diminuiu 8,1% para 3,6 milhões de euros.

Segundo a tecnológica, a diminuição de 5,3% do volume de negócios foi «impactada pela alienação da área Digital TV/SIP» e o recuo do EBITDA é explicado pela «pressão de preços no mercado doméstico e, fundamentalmente, pelos custos previstos associados à aceleração da estratégia de internacionalização».

Os resultados do primeiro trimestre «estão alinhados com as prioridades estratégicas definidas para 2014. O negócio internacional cresceu 16% e representa 35% da atividade, excluindo o perímetro do negócio da Digital TV/SIP alienado no final de 2013, esse crescimento foi de 44%, o que reflete bem o significativo esforço de

internacionalização», refere o presidente executivo, Luís Paulo Salvado, citado no comunicado.

«Também ao nível da aposta nos serviços e no desenvolvimento de ofertas de maior valor acrescentando os progressos são claros», disse, adiantando ainda que «os serviços cresceram e representam já dois terços do negócio», sendo que «a margem bruta das vendas aumentou».

Estas apostas e «as condições muito desafiantes no mercado doméstico mantiveram a pressão no EBITDA e no resultado líquido, que contraíram 8% e 20%, em linha com o previsto. A posição de cash evoluiu positivamente, tendo-se gerado perto de quatro milhões de euros no trimestre», acrescenta.

No primeiro trimestre, o negócio internacional cresceu 15,7%, passando a ter um peso de 34,9%, enquanto o dos serviços subiu para 66,2%.

«A Novabase está empenhada no cumprimento do guidance [direção] para 2014, reafirmando como foco estratégico a intensificação da internacionalização e o reforço do investimento em I&D [Investigação e Desenvolvimento] para a especialização das suas soluções», refere a tecnológica nas suas perspetivas para este ano.