O lucro da Galp Energia caiu 28,8% no primeiro semestre deste ano, face ao mesmo período do ano passado, devido sobretudo à deterioração dos resultados do segmento de Refinação e Distribuição, anunciou esta segunda-feira a empresa.

Em comunicado divulgado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a petrolífera portuguesa refere ter registado um resultado líquido ajustado de 115 milhões de euros, o que representa uma queda de 47 milhões quando comparado com o primeiro semestre do ano passado.

O resultado líquido ajustado (RCA - Replacemente Cost Adjusted) exclui o efeito stock e eventos não recorrentes e é considerado como o indicador que melhor descreve o desempenho da empresa.

Em termos operacionais, a Galp Energia também apresentou uma descida em relação ao valor registado no período homólogo de 2013.

No primeiro semestre deste ano, o resultado operacional da empresa foi de 274 milhões de euros, o que significa que decresceu 8,5%.

Já a custo de substituição, o resultado operacional melhorou 51 milhões de euros, para 140 milhões.

Entre janeiro e junho deste ano, a Galp Energia registou um aumento de 18% na produção net entitlement (ou seja, aquela a que a Galp Energia tem de facto direito) de petróleo e gás natural, graças aos «progressos no desenvolvimento dos projetos de produção no Brasil».

No total, (working interest) a produção de petróleo e gás natural cresceu 14%.

De acordo com a informação da Galp Energia, as exportações dos produtos petrolíferos da empresa para fora da Península Ibérica diminuíram 31% no período em causa, situando-se em 1,5 milhões de toneladas, devido a uma menor disponibilidade de produto causada pela paragem geral programada na Refinaria de Sines.

A paragem na refinaria também provocou uma redução do volume de vendas a clientes diretos diminuiu, neste caso de 4%, sendo que as vendas a clientes diretos em África representaram 8% do total.

Durante o primeiro semestre deste ano, a Galp Energia investiu um total de 463 milhões de euros, dos quais 86% foram canalizados para o segmento de negócio de Exploração & Produção, nomeadamente para as atividades de desenvolvimento no campo Lula, no Brasil.

No comunicado sobre as contas da empresa, a Galp Energia refere ainda que a sua dívida líquida chegou aos 1.625 milhões de euros, lembrando um empréstimo de 807 milhões concedido à Sinopec. Sem contabilizar esse empréstimo, a dívida seria de 2.432 milhões de euros.