O lucro consolidado do banco BiG aumentou 24% no primeiro trimestre para 20,6 milhões de euros, face a igual período do ano passado, indicou hoje a instituição financeira.

O presidente do BiG, Carlos Rodrigues, afirmou, em comunicado, que o banco beneficiou da «visão mais confiante e otimista» da generalidade dos investidores sobre o desempenho das economias periféricas da Europa ao longo dos últimos meses, fator que contribuiu para a subida em 24% do resultado líquido consolidado nos três primeiros meses deste ano.

O lucro consolidado registado no primeiro trimestre de 2013 atingiu os 16,6 milhões de euros.

O produto bancário do BIG aumentou 27% nos três primeiros meses deste ano, para 83,5 milhões de euros, face a igual trimestre homólogo do ano passado.

Os depósitos de clientes subiram 30%, no período em análise, para 724 milhões de euros, que compara com os 557,9 milhões de euros os primeiros três meses de 2013.

O rácio de crédito concedido/ativo total líquido foi de 11%, enquanto se situou em 34,3% no período homólogo do ano anterior.

O crédito vencido, quando comparado com o crédito concedido, apresentou um rácio de 0,01% no final dos primeiros três meses deste ano, enquanto no primeiro trimestre do ano passado foi de 0,2%.

A rentabilidade dos capitais próprios médios anualizados (ROE) situou-se em 38,3% no primeiro trimestre deste ano, face aos 39% observados nos três primeiros meses do ano passado.

Segundo Carlos Rodrigues, o BiG vai continuar este ano a focar-se «na preservação de capital, controlo de riscos e gestão de liquidez», mantendo-se igualmente atento «aos muitos desafios que a economia portuguesa ainda terá que enfrentar».

«Acreditamos que 2014 poderá ainda apresentar outras oportunidades para o BiG, apesar de considerarmos que as questões fundamentais que levaram Portugal a um pedido de resgate estão longe de estarem resolvidas, e consequentemente a atual crise longe do seu fim», acrescentou.