Os funcionários de empresas multinacionais sediadas em Lisboa estão de forma geral satisfeitos com o local onde trabalham, sendo a justiça salarial e o favoritismo os pontos mais negativos que apontam, segundo um estudo revelado esta quinta-feira.

Promovido pela unidade portuguesa do instituto Great Places to Work, o estudo «Melhores Capitais para Trabalhar na Europa» compara a satisfação dos funcionários de empresas multinacionais nas várias capitais europeias em que estão sediadas.

Neste caso, foram comparadas 25 empresas em Amesterdão (Holanda), Atenas (Grécia), Berlim (Alemanha), Bruxelas (Bélgica), Copenhaga (Dinamarca), Dublin (Irlanda), Lisboa, Londres (Inglaterra), Madrid (Espanha) e Paris (França).

O estudo avaliou cinco critérios ¿ credibilidade, respeito, imparcialidade, orgulho e camaradagem ¿ e revelou que Lisboa situa-se em terceiro lugar no índice de satisfação dos funcionários, com 90 pontos, ficando atrás de Copenhaga (95) e de Madrid (92).

A média europeia situa-se nos 88 pontos.

O critério onde Lisboa ficou mais afastada das restantes capitais foi o da imparcialidade, onde se inserem a justiça salarial, a justiça na atribuição de promoções, o reconhecimento pelo trabalho, a conciliação vida profissional/vida familiar e o favoritismo, entre outros.

Acima da média europeia está o parâmetro do orgulho de trabalharem no local onde trabalham e o envolvimento da empresa na comunidade em que se insere.

O estudo foi apresentado hoje na Estufa Fria, em Lisboa, numa cerimónia em que foram ainda entregues os certificados de «Great Place do Work» às empresas destacadas nas listas nacional e europeia de 2013: Accor, Cisco Systems, Gatewit, CH Business Consulting, Mars, Medtronic, Microsoft, Novartis Farma, ROFF, Royal Canin, SAS Institute e Unilever Jerónimo Martins.