Os indicadores da hotelaria «aceleraram significativamente» em abril, com aumentos homólogos de 25,4% nas dormidas e 20,2% nos proveitos, dinamizados pelo calendário da Páscoa, 25 de abril, novas rotas aéreas e programas turísticos específicos, divulgou esta quarta-feira o INE.

Depois da evolução negativa em 0,8% registada em março, o Instituto Nacional de Estatística (INE) reporta um total de 3,9 milhões de dormidas em abril, destacando o aumento de 36,9% nas dormidas de residentes, uma vez que «a proximidade entre a Páscoa e o feriado de 25 de abril favoreceu o gozo de férias».

Já as dormidas de não residentes aumentaram 21,3%, destacando-se os contributos de Espanha, Brasil e Irlanda como principais mercados emissores de turistas.

Segundo o INE, em abril também os proveitos «aumentaram expressivamente», com subidas de 20,2% para os proveitos totais e de 20,4% para os de aposento, quando em março de 2014 estes indicadores se tinham ficado por aumentos de 2,9% e 3,1%, respetivamente.

Para além do impacto positivo do calendário da Páscoa e do 25 de abril, do início de novas rotas aéreas e da realização de «vários eventos e programas turísticos específicos», o instituto destaca que «a expansão da procura foi acomodada pelo crescimento da oferta hoteleira, nomeadamente através da abertura antecipada em relação à época do ano de muitos estabelecimentos [mais de meia centena] e da utilização mais intensiva em particular de novos estabelecimentos».

De acordo com os dados do INE, em abril a hotelaria em Portugal registou 1,4 milhões de hóspedes e 3,9 milhões de dormidas (+21,5% e +25,4% que em abril de 2013), resultados «bastante mais positivos» que os dos meses anteriores (-0,8% dormidas em março, +5,7% em fevereiro e +10,3% em janeiro).

No período de janeiro a abril de 2014, o crescimento de hóspedes e dormidas foi de 11% em ambos os casos.

Os dados hoje divulgados apontam para «resultados muito positivos» em abril «em todas as tipologias e categorias», destacando-se o contributo dos hotéis, com um acréscimo de 517,5 mil dormidas (+26,0%).

O «crescimento significativo» das dormidas de residentes merece também referência por parte do INE.

Embora o total de 1,1 milhões de dormidas de residentes atingidos (+36,9%) tenha ainda sido inferior ao registado em abril de 2011 (1,14 milhões), situa-se já ao nível ao de abril 2010 (1,08 milhões).

Quanto às dormidas de não residentes, fixaram-se em 2,8 milhões (+21,3% que em abril de 2013), numa evolução que «superou largamente» a dos meses anteriores (+0,2% em março, +8,1% em fevereiro e +10,7% em janeiro).

No período de janeiro a abril de 2014, as dormidas de residentes aumentaram 11,7% e as de não residentes 10,8%.

Em abril, os 10 principais mercados emissores representaram 79,0% das dormidas de não residentes, contra 77% no mesmo mês de 2013, tendo Espanha apresentado o maior aumento (+123,7%) e quase duplicado a sua representatividade (6,9% em abril de 2013 e 12,8% em abril de 2014).

Destaque ainda para o Brasil (+48,5% de dormidas) e a Irlanda (+24,6%), assim como para o Reino Unido, que registou um «aumento assinalável» nas dormidas dos seus residentes (+16,2%), equivalente a uma quota de 22,3%.

Já a Itália e os Estados Unidos apresentaram resultados negativos (-8,3% e -2,4%, respetivamente).

Considerando o período de janeiro a abril, apenas a Itália apresentou uma evolução homóloga negativa (-2,8%), destacando-se a boa evolução do Brasil (+23,7%) e Espanha (+19,2%).