A José de Mello desiste, para já, de comprar a Espírito Santo Saúde. O único grupo português na corrida continua interessado na área de saúde do Grupo Espírito Santo, mas deixa cair, por agora, a Oferta Pública de Aquisição (OPA). Este fracasso surge em vésperas do prazo final da entrega de propostas.

Foram os prazos legais que comprometeram a operação: «No limite, podíamos ser obrigados a vender a Espírito Santo Saúde de forma apressada. Investimentos superiores a 450 milhões de euros não são feitos pelo Grupo José de Mello sem saber verdadeiramente o que se está a comprar e em que condições», explicou o presidente da empresa, Salvador de Mello.

«Não é por nos terem obrigado a sair da operação, que vamos desistir. A José de Mello Saúde mantém intacta a sua legítima ambição e projeto de crescimento e prosseguirá todas as oportunidades que sirvam esse propósito», ressalvou.

O presidente da José de Mello Saúde assegurou, assim, que o grupo «mantém a determinação» na aquisição da ES Saúde, sem «prescindir da autorização da Autoridade da Concorrência».

Salvador de Mello quis reforçar esta mensagem: «Mantemos como sempre o compromisso com o nosso país. Orgulhamo-nos pela forma como o nosso projeto recebeu as mais variadas manifestações de estímulo e incentivo durante todo o processo, demonstrando o mérito e as capacidades distintivas da José de Mello Saúde. Acreditamos, mais do que nunca, no nosso projeto. E continuamos a contar com a dedicação e empenho dos milhares de colaboradores da José de Mello Saúde».

A José de Mello Saúde solicitou, na quarta-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários que a esclareça, em tempo útil, se a sua proposta de compra da Espírito Santo Saúde (ESS) podia concorrer com as outras.

A Fidelidade, detida pelos chineses da Fosun, também tem de oficializar a proposta de 4,72 euros por acção até esta sexta-feira. Está à espera da autorização do Governo para controlo da parceria público-privada no Hospital de Loures, que deverá ser entregue a tempo.

Os mexicanos do Grupo Ángeles, que já têm a oferta pública de aquisição a decorrer, tiveram resposta positiva da Espírito Santo Saúde. O conselho de administração da empresa considera «aceitável» o preço de 4,5 euros por ação e sublinha que a proposta garante a continuação do modelo de gestão atual, salvaguardando os postos de trabalho.

Há ainda outro interessado em comprar a ES Saúde, fora de bolsa: o grupo United Health está a tentar negociar com a Rio Forte a compra de 55% da Espírito Santo Healthcare, para chegar ao controlo de 51% do capital da ES Saúde.