O ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, garantiu hoje em Seul que o Governo está empenhado em «trabalhar ao máximo» para as empresas portugueses alcançarem «novos sucessos» nas exportações, à semelhança dos últimos dois anos.

O governante falava na abertura de um fórum empresarial entre empresas portuguesas que o acompanham na visita oficial à Coreia do Sul, que termina esta sexta-feira, e a Associação de Comércio Internacional da Coreia (KITA, na sigla internacional), congénere da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), que também participou na sessão.

Rui Machete apresentou a atual situação económica e financeira de Portugal, mencionando o crescimento da economia de 1,3 por cento, no final do ano passado, a «recuperação gradual» da procura interna e a «descida consistente» do desemprego, que apesar disso ainda se «mantém demasiado elevado».

O governante salientou depois que as exportações «continuam a aumentar», referindo que «depois de terem batido todos os recordes em 2012, as exportações portuguesas tiveram novamente o seu melhor ano em 2013, com um crescimento anual consolidado de 4,6%», subindo aos 7,7% quando se exclui o comércio com os países da União Europeia.

«Estamos determinados a trabalhar o máximo que conseguirmos, ajudando as empresas portuguesas nos seus esforços de internacionalização, para fazer de 2014 outra história de sucesso em termos de exportações», sublinhou.

Machete recordou também o «vasto número de reformas estruturais» no mercado de trabalho, saúde e justiça, o «programa ambicioso de privatizações, que tem sido, até agora, um enorme sucesso».

«Estas conquistas foram reconhecidas pelos mercados financeiros e Portugal tem consistentemente reconquistado a sua confiança e o acesso ao financiamento normal, com as condições de financiamento a melhorar», disse.

As taxas de juro, acrescentou, «mantêm uma tendência de queda, estando agora a ser negociadas abaixo dos quatro por cento, o nível mais baixo» em quatro anos.

Sobre as relações com Seul, o governante português apelou ao reforço dos laços económicos entre os dois países: «O comércio bilateral entre Portugal e a Coreia do Sul tem uma enorme margem de crescimento», considerou o ministro.

No ano passado, as trocas comerciais entre Lisboa e Seul representaram pouco mais de três milhões de euros, números «modestos», mas que refletem um crescimento das exportações e importações, o que considerou ser «um sinal promissor».

Rui Machete destacou que o setor privado tem demonstrado uma «impressionante capacidade imaginação e capacidade para se adaptar a novos desafios, ao aumentar as quotas de mercado e encontrando novos mercados estrangeiros».

A AICEP e a sua congénere sul-coreana assinaram hoje um memorando de entendimento com o intuito de promover o comércio e a indústria e desenvolver a cooperação económica.