O Conselho de Ministros aprovou esta quarta-feira o processo de privatização dos CTT - Correios de Portugal, a «realizar-se mediante a alienação das ações representativas de até 100%» do capital social da empresa.

De acordo com a nota do Conselho de Ministros de hoje, o diploma aprovado «prevê a alienação do capital social dos CTT através de venda direta de referência, tendo em vista o desenvolvimento estratégico da empresa», bem como através de oferta pública de venda.

«Consagra-se a alienação de um máximo de 5% de ações a trabalhadores dos CTT e das empresas por estas participadas», refere o texto.

O Governo está «absolutamente comprometido» com a transparência do processo de privatização dos CTT.

De acordo com o secretário de Estado das Finanças, Manuel Rodrigues, o processo quer-se «competitivo» e não apenas focado no «encaixe financeiro», mas também no projeto estratégico para o futuro da empresa.

Falando em conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros, o governante disse ainda que será tida em conta a «idoneidade» dos investidores e a «capacidade de se comprometerem» com a privatização da empresa.

O secretário de Estado das Finanças escusou-se a adiantar valores projetados para o encaixe financeiro da operação.