A Jerónimo Martins é a 16ª empresa mais inovadora do mundo, de acordo com o ranking publicado esta semana pela prestigiada revista «Forbes».

A revista, que identifica as 100 empresas mais inovadoras, coloca a norte-americana Salesforce.com no topo da lista, seguida das compatriotas Alexion Pharmaceuticals e Vmware. Aliás, no top 10, seis companhias são dos EUA, um do Reino Unido, uma da China, uma do Japão e uma do Brasil.

A empresa portuguesa, que detém o Pingo Doce, surge logo atrás da empresa de cosmética Estée Lauder, e à frente de nomes como a Starbucks ou a Pernod Ricard.

A Jerónimo Martins deixou para trás nomes sonantes como as tecnológicas Google e Apple, nas 47ª e 79ª posições, respetivamente.

Uma classificação que se prende com a metodologia e critério usado pela «Forbes» na elaboração desta lista: a revista usa não só a performance passada e os negócios atuais das empresas, mas também a expetativa dos investidores relativamente à capacidade dessas empresas de inovar no futuro. A «Forbes» calcula o chamado «prémio de inovação» de cada empresa, que assenta na diferença entre a capitalização de mercado e um valor líquido atual dos cash flows dos negócios existentes (calculado com base numa fórmula da HOLT/Credit Suisse). A diferença entre ambos é o prémio nas ações, atribuído pelos investidores, com base na sua expetativa de que a empresa continuará a crescer e ser rentável.