A agência de notação financeira Fitch cortou o rating da Portugal Telecom, por questões relacionadas com os dividendos a receber das suas participadas. Questões que já levaram a operadora a anunciar que pretende cortar o dividendo de 2013 e 2014 para 10 cêntimos por ação, o que representa uma descida de 70% face aos anteriores 32,5 cêntimos.

A nota da dívida da PT baixou de «BBB» para «BBB-», e o outlook é negativo, o que significa que a classificação pode sofrer novas revisões em baixa.

«A redução tem em conta uma alteração nas expetativas da Fitch para os dividendos das participadas da PT», explica a agência, referindo-se especificamente à brasileira Oi, «que está atualmente no meio de uma inversão», e também «o atraso no repatriamento dos dividendos da Unitel», operadora angolana onde a PT tem 25%. «Parece provável que as receitas, que formam uma parte decisiva da avaliação da Fitch para a alavancagem da PT, vão falhar as previsões iniciais para 2013», conclui.

«O corte de dividendos da PT fornece alguma compensação e mostra a deferência da administração aos interesses dos obrigacionistas. Contudo, na avaliação da Fitch, isso será insuficiente para travar a alavancagem da empresa».

De acordo com a Fitch, a PT continua a gerir o seu negócio nacional de forma eficiente, mas a agência espera que o EBITDA doméstico cai para um dígito em 2013, devido aos efeitos da economia. A liquidez, avança, é forte e a PT tem asseguradas as necessidades de financiamento até 2016.