A Fagor Electrodomésticos advertiu esta quarta-feira de que se não receber o financiamento solicitado à Corporação Mondragón e às instituições públicas poderá ter que apresentar o concurso de credores, o que implicará o «desaparecimento» de todas as atividades da empresa.

O Conselho Reitor - a direção da cooperativa - e o Conselho Social - que representa os sócios trabalhadores - divulgaram hoje um comunicado conjunto em que advertem de que a «previsível» falta de financiamento do «plano de viabilidade» provocará um «iminente» concurso de credores.

A situação implicará a perda de mais de 4.000 empregos no País Basco.

A cooperativa mostrou-se convencida de que se tiver que apresentar o concurso de credores «desaparecerão todas as atividades da empresa e todos os seus postos de trabalho, sem solução de continuidade», cita a Lusa.

A direção da cooperativa estimou na terça-feira que são necessários 170 milhões de euros para salvar a empresa que está atualmente numa situação de pré concurso de credores.