As receitas de portagens nas antigas SCUT (autoestradas sem custos para o utilizador) aumentaram 9% no primeiro semestre deste ano, revelam dados da Estradas de Portugal.

«No primeiro semestre deste ano o valor de receita de portagem obtida nas autoestradas ex-SCUT e nas concessões da Grande Lisboa e Norte ascendeu a 122,3 milhões de euros», revela.

De acordo com o comunicado da empresa, o maior crescimento registou-se na Via do Infante (Algarve), com mais 22%. No total, as portagens nesta autoestrada totalizaram 8,9 milhões de euros. «Um dado ainda mais significativo se tivermos em conta que não incluí ainda a época de verão, o período de maior movimento na região do Algarve», lembra a empresa pública.

Mas também na autoestrada da Beira Litoral e Alta, o crescimento foi de 18%, para mais de 20 milhões de euros.

Com o terceiro maior aumento, surge a concessão do Interior Norte, onde as receitas cresceram 16%. Na do Norte Litoral, a subida foi de 15%.

No sentido inverso evoluíram as receitas de portagem da Grande Lisboa e do Norte, com um decréscimo de cerca de 900 mil euros no conjunto destas duas concessões.

Apesar dos dados otimistas, a Estradas de Portugal «mantém-se cautelosa, dado não serem ainda evidentes os sinais de aumento do tráfego portajado. Este acréscimo de receitas é um primeiro sinal que a política de redução de preços verificada em novembro, complementarmente com a redução de fraude e a simplificação e facilitação do sistema de pagamento a estrangeiros está a dar os primeiros resultados».

No primeiro semestre deste ano a Estradas de Portugal obteve um total de 131,2 milhões de euros em receitas de portagem. Este valor representa um crescimento de 12% face ao período homólogo do ano passado. Com base nestes dados, a empresa estima obter no final do ano um total de 270 milhões de euros, o que permitirá cobrir 46% dos dos encargos assumidos após conclusão das renegociações em curso.