A Estradas de Portugal (EP) vai reduzir a iluminação pública das estradas sob sua jurisdição para diminuir os custos com a energia, que este ano ascendem a mais de um milhão de euros, informou a empresa em comunicado. A medida vai decorrer durante o ano de 2014.

Com esta redução, a EP conta poupar anualmente cerca de 50% dos gastos que tem habitualmente com a iluminação pública nos mais de 14.500 quilómetros da rede rodoviária sob sua gestão, disse à Lusa fonte da empresa.

Afirmando que outros países da União Europeia, entre os quais Espanha, já tomaram medidas semelhantes, a EP indica no comunicado que em Portugal se pretende «implementar medidas de rápida aplicação em plena via dos sublanços e nós de ligação das autoestradas e vias rápidas, rotundas, cruzamentos ou túneis».

Entre essas medidas está a diminuição do número de horas em que a iluminação está ligada e a adequação do horário da iluminação ao tráfego efetivo da estrada, com supressão durante a noite nos locais onde o tráfego é particularmente inexistente.

A redução do número total de candeeiros acesos, intercalando-se os apagados com os que ficam ligados é outra das medidas a implementar, bem como apagar-se a iluminação nos troços onde se verifique ser «totalmente desnecessária pelas características da própria via».

A EP referiu que vai apostar na utilização elementos com a maior eficiência energética possível e reforçar a qualidade da retrorreflexão da sinalização vertical e das marcas rodoviárias.