O Espírito Santo Financial Group (ESFG) registou um prejuízo de 63,8 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, face aos lucros de 233 milhões no mesmo período do ano passado, anunciou em comunicado.

Os resultados da holding que detém o BES foram penalizados pela «acentuada contração económica em Portugal resultante do programa de austeridade em curso» e «pelos desafios colocados pela crise da Zona Euro».



O produto bancário caiu 23,4% para 856 milhões de euros, e o resultado financeiro desceu 24,2% para 499,1 milhões de euros. Os serviços a clientes caíram 22,4% para 356,9 milhões de euros.

Os custos, por seu lado, aumentaram, sendo que os custos operacionais subiram 5,2% para 1,52 mil milhões de euros, «refletindo uma subida de 59,8% nas provisões para crédito e imparidades».

Segundo o grupo, «o desempenho do Banco Espírito Santo (BES), o principal investimento da ESFG no sector bancário, foi afetado pelo aumento do número de insolvências em Portugal, com impacto direto no nível de imparidades e na necessidade de constituir provisões adequadas».

O rácio core tier one não só cumpriu como superou os requisitos mínimos do Banco de Portugal e da Autoridade Bancária Europeia (EBA na sigla do inglês), atingindo os 10,2% e 9,4%, respetivamente.