Cerca de 40 trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) vão continuar ao serviço até abril, apesar de já terem acertado as rescisões amigáveis, para acompanharem a venda de vário material da empresa.

A informação foi confirmada hoje à Lusa por fonte da administração dos estaleiros, acrescentando que nestes não se incluem os 11 trabalhadores que não aderiram ao plano social para saídas voluntárias da empresa, que esteve em vigor até 21 de fevereiro.

Dos 596 trabalhadores que aceitaram essas condições propostas, cerca de 40 vão continuar nos ENVC até abril, para acompanharem os concursos de venda dos bens da empresa e a transição para o modelo de subconcessão dos terrenos e infraestruturas ao grupo Martifer, que também deverá acontecer no próximo mês.

Os restantes têm vindo a sair da empresa nos últimos dias, através da cessação dos contratos de trabalho, o mesmo acontecendo mais tarde com este último grupo de funcionários.

Entretanto, todos os bens móveis dos estaleiros estão fora da subconcessão que será assumida pela nova empresa West Sea e terão de ser vendidos em concurso público, no âmbito do processo de liquidação da empresa pública.

Hoje decorreu a venda em leilão de 11 viaturas de serviço da empresa, que renderam mais de 25.700 euros, e de um guindaste de 466 toneladas, por 93.500 euros, neste caso adquirido precisamente pela West Sea, após vários lances.

Para assegurar a subconcessão dos estaleiros, a Martifer criou a West Sea, que já anunciou que pretende recrutar 400 trabalhadores para a empresa de Viana do Castelo, «prioritariamente» entre os agora ex-funcionários dos ENVC.