A Mota-Engil informou esta sexta-feira o mercado que conta ter concluído o processo de privatização da EGF, adquirida por um consórcio seu, durante a primeira metade de 2015.

Em nota publicada na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Mota-Engil traça um retrato global do processo de privatização, sem acrescentar grandes novidades mas reiterando a determinação em concluir até à primeira metade do próximo ano o negócio.

A Mota-Engil assinala também que se a EGF tivesse influência já nas contas de 2013, a divisão de ambiente e serviços da empresa teria atingido um volume de negócios de 565 milhões de euros.

O consórcio SUMA, liderado pela Mota-Engil, foi o vencedor do concurso para a privatização de 95% do capital da EGF, a sub-holding do grupo Águas de Portugal.

O vencedor ficou com 95% do capital social da EGF (Empresa Geral do Fomento), a empresa responsável pela recolha, transporte, tratamento e valorização de resíduos urbanos, através de 11 empresas de norte a sul do país que têm como acionistas a empresa estatal Águas de Portugal (51%) e os municípios (49%).