Os CTT renovaram com a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) o contrato que permite comercializar dívida pública através de certificados de aforro nas 624 estações dos correios no país.

«Este acordo é renovado num momento especialmente relevante para o esforço de captação de dívida pública através desde canal, uma vez que pela primeira vez em meses parece consolidar-se uma tendência positiva no saldo entre subscrições e resgates», referem os correios em comunicado.

Nos últimos três meses, o saldo acumulado foi positivo em 14,4 milhões de euros, a favor das subscrições.

«Os dados de agosto apurados até ao momento mostram uma aceleração deste comportamento positivo, permitindo-nos concluir que os portugueses voltaram aos certificados de aforro», adiantam os CTT.

«A melhoria da rentabilidade destes títulos no final de 2012, juntamente com as condições únicas de acessibilidade dos balcões dos CTT, são razões que podem justificar este retorno da poupança aos certificados de aforro», referem.

Assim, acrescentam, os CTT e o IGCP «pretendem promover o acesso dos pequenos investidores e da pequena poupança à subscrição de títulos de dívida pública».

As condições de subscrição atualmente em vigor vão manter-se até dezembro de 2016, tendo sido mantidas as restantes vantagens quer em termos de liquidez quer no que à possibilidade de movimentação trimestral dos montantes aplicados se refere.