A construtora portuguesa MSF vai assinar esta segunda-feira no Qatar um contrato no valor de 280 milhões de euros com a empresa local Ashgal para a reabilitação de uma zona industrial, adiantou hoje um responsável do grupo português.

Em declarações à agência Lusa naquele país, o diretor da MSF para o Qatar, Carlos Bernardino, explicou que o contrato será assinado hoje à tarde na capital Doha entre os presidentes executivos da MSF, Carlos Fortunato, e da Asghal, sendo o parceiro local da construtora portuguesa a Qatar Trading and Contracting Group (QTCG).

O contrato representa um investimento de 280 milhões de euros e destina-se «à reabilitação de uma antiga zona industrial», com cerca de 20 anos, e com uma área de 480 hectares (área equivalente a 480 estádios de futebol).

Trata-se do maior contrato que alguma empresa portuguesa efetuou até ao momento na região.

A obra arranca a 05 de janeiro e deverá estar concluída em 900 dias, ou seja, dois anos e meio.

Carlos Bernardino explicou que a reabilitação daquela zona industrial consiste em novas infraestruturas de águas pluviais, pavimentação e passeios, alinhamentos e vedações, mobiliário urbano e iluminação, entre outros.

O responsável da MSF está no Qatar e acompanha a missão empresarial àquele país e aos Emirados Árabes Unidos, liderada pelo vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, e na qual participam 42 empresários portugueses, sobretudo das áreas do turismo, agroalimentar, farmacêutica, construção e tecnologias de informação.

Paulo Portas já esteve hoje de manhã reunido com o primeiro-ministro e ministro do Interior, Sheikh Abdullah bin Nasser bin Khalifa Al Thani, e o seu homólogo, Ahmed bin Abdullah bin Zaid al Mahmoud.

O Qatar é o maior exportador mundial de gás natural e considerado pelo Banco Mundial o país mais rico do mundo em termos de Produto Interno Bruto (PIB) 'per capita'.