Na passada segunda-feira muitos clientes, na maioria ex-clientes do BES, dirigiram-se à CGD para depositar as suas poupanças. O nível de depósitos tem aumentado ao longo do mês de julho, mas segundo o jornal Público o pico foi a 4 de agosto, dia em que foram depositados 200 milhões de euros de particulares na instituição.

A CGD é visto como um banco de refúgio numa altura de turbulência do setor financeiro. E surpreendeu ao apresentar lucros no semestre e um rácio de solidez mais de 3% acima do mínimo exigido pelo Banco de Portugal.

A transferência de dinheiro da CGD aconteceu apesar da segurança dos depósitos do BES nunca ter sido posta em causa e de o Fundo de Garantia dos Depósitos continuar a garantir um máximo de 100 mil euros a cada depositante.