O Facebook divulgou pela primeira vez o perfil demográfico dos seus funcionários: os homens representam 69% da mão-de-obra «facebookiana», ao passo que as mulheres se ficam pelos 31%.

Os dados revelados provam que a rede social com mais de mil milhões utilizadores segue a tendência dos correntes Google e Yahoo e não dispensa a força de trabalho masculina, revela a revista Time.

Na maioria das empresas norte-americanas, 57% dos trabalhadores são caucasianos, 34% são asiáticos, 4% hispânicos, 3% são multirraciais e 2% são negros. No entanto, do lado das empresas tecnológicas, a tendência é mais enviesada, já que na sua maioria, 85% dos trabalhadores são brancos ou asiáticos do sexo masculino.

Existe uma maior paridade de género nos postos de trabalho de empresas não-tecnológicas, onde 53% dos trabalhadores são do sexo masculino e 47% são do sexo feminino.



Num artigo publicado na própria rede social , o Facebook reconhece que há um longo caminho a percorrer até conseguir mão-de-obra diversificada. «A diversidade está a ser tratada pelo Facebook com a máxima responsabilidade, o desafio é encontrar candidatos qualificados, pouco representados no mapa da mão-de-obra, como parte de um esforço estratégico», assume a rede social.



O Facebook tem várias iniciativas para promover a diversidade, como o lançamento de uma equipa estratégica para atingir este objetivo e de um programa de estágios para estudantes universitários incluídos no grupo de trabalhadores menos representados.