A direção do Catalunya Banc e os sindicatos SEC, CCOO, UGT e CSICA alcançaram esta madrugada um acordo sobre o despedimento de 2.395 funcionários, um terço da força laboral da instituição, avança a Lusa.

Depois de mais de 17 horas de reunião, a direção do banco e os sindicatos chegaram a acordo, no último dia do período legal de negociações, sobre o Expediente de Regulação de Emprego (ERE), formato usado em Espanha para despedimentos coletivos negociados, apresentado pela instituição.

O acordo foi alcançado graças às melhorias introduzidas na oferta de indemnizações pelo banco, atualmente nas mãos do Fundo de Reestruturação Ordenada Bancária (FROB), e a outras questões, como a mobilidade geográfica e medidas de acompanhamento.

De acordo com fontes sindicais citadas pela agência Efe, o banco vai oferecer aos funcionários afetados pelo ERE uma indemnização de 30 dias por ano trabalhado até 22 mensalidades.

Será ainda pago um prémio de antiguidade de 700 euros por ano trabalhado e um prémio a quem se oferecer para deixar a empresa que oscilará entre os 12.500 e os 27.500 euros, de acordo com o número de anos de serviço.

O Catalunya Banc, que não permitirá reformas antecipadas, oferecerá também aos maiores de 25 anos um montante de 3.000 euros e dará prioridade à saída de 400 pessoas maiores de 50 anos.

Além do aspeto económico, os sindicatos conseguiram a aplicação pela instituição bancária de uma série de medidas complementares e de caráter voluntário para minimizar o impacto do ERE, nomeadamente reduções salariais e de horário de trabalho de 50% com uma indemnização equivalente a 50% da baixa incentivada.

Esta medida poderá ser aplicada até 525 funcionários, e por cada dois que aderirem será criada uma nova vaga.

As ausências serão aplicadas a um período de três anos e a 200 pessoas, que receberão um salário bruto de 12.000 euros.

A mobilidade geográfica, medida temporária até dezembro de 2014, só poderá afetar 5% dos trabalhadores num raio de 50 quilómetros.

Os funcionários que permanecerão em funções no Catalunya Banc sofrerão um corte salarial de 5%.

A aplicação do ERE era uma das exigências de Bruxelas pelas ajudas públicas de cerca de 12 mil milhões de euros outorgados para a sua recapitalização.

Depois da aplicação destas medidas, o FROB poderá reativar a venda do banco catalão - pelo qual já manifestaram interesse o CaixaBank, o Santander e o BBVA -, esperando que a operação possa ser finalizada até ao final do ano.