A comissão de Assuntos Económicos Parlamento Europeu aprovou esta quinta-feira um novo limite para as comissões interbancárias nos pagamentos com cartões de débito e de crédito, que atualmente custam 10 mil milhões de euros por ano aos retalhistas europeus.

Na votação realizada em Bruxelas, manteve-se o limite de 0,3% (já proposto pela Comissão Europeia) para os cartões de crédito, mas no caso dos cartões de crédito esta taxa cobrada aos retalhistas passa para 0,2% ou sete cêntimos de euro, conforme a situação mais vantajosa.

Estes limites passam a aplicar-se tanto para transações nacionais como internacionais dentro da União Europeia e entram em efetividade um ano após a legislação ser aprovada totalmente.

Com as novas regras, que ainda terão de ser aprovadas em sessão plenária do Parlamento Europeu, os retalhistas passam a poder escolher os cartões de débito ou crédito com taxas mais favoráveis.

A Visa e a Mastercard, as maiores empresas mundiais de cartões, já vieram criticar a medida e rejeitam que resulte numa redução dos preços para os consumidores.